O SILÊNCIO DO PACIENTE COMO UMA RESISTÊNCIA NA TERAPIA PSICANALÍTICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.53612/recisatec.v2i1.66

Palavras-chave:

Terapia Psicanalítica, Silêncio, Resistência

Resumo

A psicanálise tem um papel relevante como abordagem terapêutica e com ela a presença de um fenômeno recorrente que atravessa a clínica psicanalítica como a mais poderosa das resistências as recordações: o silêncio. Desenvolvida através da técnica da associação livre, o paciente é instruído a falar tudo o que vier à mente, no entanto, para acessar a tais conteúdos inconsciente, a transferência emerge concedendo ao analista um lugar-de-suposto-saber e afetos que marcaram a vida sexual infantil do analisando. Este artigo propõe-se a investigar o silêncio do paciente como efeito de resistência à abertura para além da palavra, compreender a sua função no ato analítico, seus sinais como transferência e advento da verdade. Entende-se que esse estudo deve auxiliar na compreensão do silêncio na clínica psicanalítica como ato a ser interpretado e manejado para tornar consciente o conteúdo reprimido que se repete. Nesta pesquisa foi utilizado a pesquisa bibliográfica em revistas especializadas de dados e artigos científicos e obras de referenciais acadêmicos. Espera-se que esse trabalho de pesquisa traga reflexões e práticas clínicas sobre o silêncio quanto um processo do campo da linguagem e do setting analítico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diogo Bonioli Alves Pereira

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Allana Carolynne Sampaio Soares

Graduada em Psicologia (UNESA-2020) e Psicanalista. Universidade Estácio de Sá

Fabiane França Gomes

Graduada em Psicologia (UNESA-2020) e Psicanalista. Universidade Estácio de Sá

Referências

Anjos, C. R. (2013). A função do silêncio na análise. Monografia (Curso de Especialização em Teoria Psicanalítica) – Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Distrito Federal, 2013, Disponível em: https://bdm.unb.br/bitstream/10483/5479/1/2013_CristinaRibeirodosAnjos.pdf. Acesso em: 11 jun. 2021.

Audouard, X. (2010). O silêncio: um “mais-de-palavra”. In: NASIO, J.-D. O silêncio na psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar.

D’incao, D.B. (2007). O silêncio que cala, ou o silêncio que fala? Contemporânea: psicanálise e transdisciplinaridade, Porto Alegre, n. 3, jul./ago./set. Disponível em: http://www.revistacontemporanea.org.br/revistacontemporaneaanterior/site/wp-content/artigos/artigo107.pdf. Acesso em: 11 jun. 2021.

Fliess, R. (2010). Silêncio e verbalização: um suplemento à teoria da “regra analítica”. In: NASIO, J.-D. O silêncio na psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar. p. 59-80. (Trabalho original publicado em 1949)

Franzini, A. (2010). Uma afonia eloquente. In: NASIO, J.-D. O silêncio na psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar. p. 104-112.

Freud, S. A dinâmica da transferência (2019). In. FREUD. S. Observações psicanalíticas sobre o caso de paranoia relatado em autobiografia “O caso Scheber”. 6. ed. São Paulo: Companhia das Letras. v. 10, p. 133-146. (Trabalho original publicado em 1912)

Freud, S. (2018). A psicoterapia da histeria. In. FREUD, S. Estudos sobre a histeria. 4. ed. São Paulo: Companhia das Letras. v. 2, p. 358-427. (Trabalho original publicado em 1893)

Freud, S. (2019) Recordar, repetir e elaborar. In. FREUD. S. Observações psicanalíticas sobre o caso de paranoia relatado em autobiografia “O caso Scheber”. 6. ed. São Paulo: Companhia das letras. v. 10, p. 193-209. (Trabalho original publicado em 1914)

Freud, S. (1996) Um estudo autobiográfico, inibições, sintomas e ansiedade, análise leiga e outros trabalhos (1925-1926). In: FREUD. S. Um estudo autobiográfico. Rio de Janeiro: Imago. v. 20, p. 15-51. (Trabalho original publicado em 1925)

Henriques, R. M. (2012). O silêncio em análise. Monografia – Faculdade de Ciências da Saúde e Educação, Centro Universitário de Brasília, Distrito Federal, 2012. Disponível em: https://repositorio.uniceub.br/jspui/bitstream/123456789/2732/3/20838607.pdf. Acesso em: 11 jun. 2021.

Lacan, J. (1986).Introdução aos comentários sobre os escritos técnicos de Freud. In: LACAN, J. Os escritos técnicos de Freud: Seminário 1. 2. ed. Lisboa: Publicações Dom Quixote. p.17-32.

Nasio, J.-D. Debate. (2010) In: NASIO, J.-D. O silêncio na psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar. p. 113-118.

Padrão, C. B. (2009). Considerações sobre o silêncio na clínica. Círculo psicanalítico do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, ano 31, n. 22, p. 91–103. Disponível em: http://cprj.com.br/imagenscadernos/08.Consideracoes_sobre_o_silencio_na_clinica_psicanalitica.pdf. Acesso em: 11 jun. 2021.

Reik, T. No início é o silêncio (2010). In: NASIO, J.-D. O silêncio na psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar. p. 17-24. (Trabalho original publicado em 1926)

Ribeiro, D. P. S. A.; Amaral, H. U. (2016). O silêncio na clínica psicanalítica a partir das concepções de Donald Winnicott e Wihelm Reich. Natureza humana, São Paulo, v. 18, n. 1. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-24302016000100005. Acesso em: 25 abr. 2021.

Sander, G. K.; Kegler. P. (2018). O silêncio em palavras mudas e ausentes: uma escuta psicanalítica. Contextos clínicos, São Leopoldo, v. 11, n. 1, jan./abr. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-34822018000100011. Acesso em: 09 nov. 2021.

Santos, L. F.; Santos. M.A.; Oliveira. E. A. (2008). A escuta na psicoterapia de adolescentes: as diferentes vozes do silêncio. Revista eletrônica saúde mental álcool e drogas (Ed. Port.), Ribeirão Preto, v. 4, n. 2. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-69762008000200008. Acesso em: 11 jun. 2021.

Thomas, M. C. (2010). As formas do silêncio no esquecimento de Signorelli. In: NASIO, J.-D. O silêncio na psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar. p. 83-93.

Zolty, L. (2010). O psicanalista à escuta do silêncio. In: NASIO, J.-D. O silêncio na psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar. p. 191-196.

Downloads

Publicado

23/01/2022

Como Citar

Bonioli Alves Pereira, D., Carolynne Sampaio Soares, A. ., & França Gomes, F. . (2022). O SILÊNCIO DO PACIENTE COMO UMA RESISTÊNCIA NA TERAPIA PSICANALÍTICA. RECISATEC - REVISTA CIENTÍFICA SAÚDE E TECNOLOGIA - ISSN 2763-8405, 2(1), e2166. https://doi.org/10.53612/recisatec.v2i1.66