O MAPA VIVO COMO ESTRATÉGIA DE MONITORAMENTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE - UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.53612/recisatec.v2i1.65

Palavras-chave:

Tecnologias da informação; Comunicação em saúde; Indicadores Biodemográficos; Estratégias de saúde local.

Resumo

O mapa vivo configura-se como importante ferramenta de planejamento e gestão da atenção primária. Por meio dele é possível compreender a dinâmica situacional da saúde de determinada região a fim de criar estratégias que visem à promoção, proteção e recuperação da saúde, além de fomentar subsídios para a tomada de decisão pelos gestores, profissionais e usuários do SUS. O estudo justifica-se pelo impacto desta ferramenta na gestão do trabalho assistencial em saúde, podendo ser a razão pela qual a aplicação prática dessa ferramenta possa ser descontínua. Assim, se faz necessário o levantamento de informações para investigar as causas que levam ao surgimento de lacunas na continuidade da manutenção do mapa. Foi realizada uma revisão integrativa que buscou elencar informações capazes de evidenciar a influência do mapa vivo na gestão estratégica e na educação em saúde, os motivos que levam à obsolescência da aplicação contínua do mapa vivo, bem como a dificuldade de sua manutenção. A busca realizou-se em bancos de dados nas áreas da saúde como a LILACS, SciELO, Cochrane Library e Biblioteca Virtual de Saúde. Foi possível integrar conceitos relacionados à aplicação prática do mapa vivo no contexto do planejamento de ações estratégicas nas Unidades Básicas de Saúde. Nesse aspecto notou-se significativo debate contemplado no que tange a ausência de padronização e o questionamento da viabilidade do mapa vivo no cotidiano dos trabalhadores da saúde brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Moraes Armesto

Universidade Municipal de São Caetano do Sul

Thabata Roberto Alonso

Universidade Municipal de São Caetano do Sul - Possui experiência como tutora e professora em cursos de graduação e pós-graduação no modelo semi-presencial e 100% EaD. Mentora na Universidade Brasileira de Tecnologia Avançada. Formação pedagógica em química pela Universidade Cruzeiro do Sul. Desenvolveu como co-autora o projeto de pesquisa na tipologia de ensaio clínico duplo-cego randomizado na Universidade do Algarve em Portugal em parceria com o Hospital Particular do Algarve e a Universidade Federal de São Paulo, publicado em revista institucional em 2016. Professora de farmacologia na escola técnica Skinline (2018 até o presente). Especialização na modalidade Residência Multiprofissional na área de Farmácia Hospitalar e Clínica pela Universidade Federal de São Paulo e estágio internacional na Universidade do Algarve - Farmácia do Hospital Particular do Algarve. (2014 - 2016) Atuou com farmácia clínica em Unidade de Terapia Intensiva e Unidade de Traumato-Ortopedia da Santa Casa de Misericórdia de Santos-SP. Especialização na modalidade extensão de Gestão Financeira. Especialização na modalidade MBA em Auditoria e Faturamento de Farmácia Hospitalar e Medicamentos. Aprimoramento profissional em Vigilância Sanitária e Saúde Pública no Instituto Adolfo Lutz. Possui graduação em Farmácia pela Universidade Santa Cecília.

Rodrigo Asier Santos Ortega

Universidade Municipal de São Caetano do Sul

Lucas Kawamoto Dela Torre

Universidade Municipal de São Caetano do Sul

Anna Victória Garbelini Ribeiro

Universidade Municipal de São Caetano do Sul

Jorge Freitas Baueb

Universidade Municipal de São Caetano do Sul

Giovana David

Universidade Municipal de São Caetano do Sul

Gabriela Furst Vaccarezza

Possui graduação em Odontologia pela Universidade de São Paulo e mestrado em Ciências Odontológicas pela Universidade de São Paulo. Doutorado em andamento na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. A Atualmente é professor da Universidade Municipal de São Caetano do Sul do curso de Medicina. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Saúde Pública, atuando principalmente nos seguintes temas: equipe-multidisciplinar, epidemiologia, gestão em saúde.

Referências

ALMEIDA, J. R. S; BIZERRIL, D. O; SALDANHA, K. G. H; ALMEIDA, M. E. L. Educação permanente em saúde - uma estratégia para refletir sobre o processo de trabalho. Revista ABENO, v. 16, n. 2, p. 7-15, 2016. Disponível em: <http://revodonto.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-59542016000200003>; Acesso em: set. 2021.

BUDAL, A. M. B; MAZZA, V. A; BUFFON, M. C. M; DITTERICH, R. G; JOCOWSKI, M. PLUCHEG, V. Construção de novo modelo de mapa inteligente como instrumento de territorialização na atenção primária. Revista Bahiana de Saúde Pública, v. 42, n. 4, p. 727-740, 2018. Disponível em: <https://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/2503>; Acesso em: set. 2021.

FACCHINI, L. A; PICCINI, R. X; TOMASI, E; THUMÉ, E; TEIXEIRA, V. A; SILVEIRA, D. S; MAIA, M. F. S; SIQUEIRA, F. V; RODRIGUES, M. A; PANIZ, V. V; OSÓRIO, A. Avaliação de efetividade da atenção básica à saúde em municípios das regiões sul e nordeste do Brasil - contribuições metodológicas. Caderno de Saúde Pública, v. 1, n. 1, p. 159-172, 2008. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/csp/a/qpyjgN7Jj6zfCMbJVxfzbxC/>; Acesso em: set. 2021.

GARCIA, A. C. P.; LIMA, R. C. D.; GALAVOTE, H. S.; COELHO, A. P. S.; VIEIRA, E. C. L.; SILVA, R.C.; ANDRADE, M. A. C. Agente comunitário de saúde no espírito santo: do perfil às atividades desenvolvidas. Revista Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 15 n. 1, p. 283-300, 2017. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/tes/a/gbzRMT4W8qPDz5kf7SDNy5H/?lang=pt>; Acesso em: set. 2021.

GELSDORF, L; COCCO, D. M. P; KRUG, S. B. F. O mapa inteligente como ferramenta para ações de promoção de saúde. In: II Congresso Brasileiro Interdisciplinar de Promoção em Saúde. Anais [..]. II CBIPS em UNISC, Rio Grande do Sul, 2016. Disponível em: <https://www.unisc.br/site/seminario_ppgps/anais/3433mod.pdf>; Acesso em: set. 2021.

GOLDSTEIN, R. A.; BARCELLOS, C.; MAGALHÃES, M. A. F. M.; GRACIE, R.; VIACAVA, F. A experiência de mapeamento participativo para a construção de uma alternativa cartográfica para a ESF. Ciência e Saúde Coletiva, v. 18, n. 1, p.45-56, 2013. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/csc/a/QndtBJQ3CmsrhMZzFyW9rjC/?lang=pt>; Acesso em: set. 2021.

MARTINS, L. C. A.; DA SILVA, E. B.; DA COSTA, M. C.; COLOMÉ, I. C. S.; FONTANA, D. G. R.; JAHN, A. C. Violência contra mulher: acolhimento na estratégia saúde da família. Rev. Ciência, Cuidado e Saúde, v.15, n. 3, p. 507-514, 2016. Disponível em: <http://www.revenf.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-38612016000300507>; Acesso em: set. 2021.

NASCIMENTO, E; BERTO, V. Z; MATIAS, L. F. Perspectivas da utilização de sistemas de informações geográficas (SIG) como instrumental de apoio ao trabalho em unidades básicas de saúde. Revista Internacional de Ciencia y Tecnología de La Información Geográfica, v. 1, n. 7, p. 1-13, 2007. Disponível em: <https://geofocus.org/index.php/geofocus/article/view/122>; Acesso em: set. 2021.

NASCIMENTO, A. G; CORDEIRO, J. C. Núcleo Ampliado de saúde da família e atenção básica - análise do processo de trabalho. Revista Trabalho, Educação e Saúde, v. 17, n. 2, p. 1-20, 2018. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/tes/a/tWS99FwJwhn55N9jGLSNDhR/>; Acesso em: set. 2021.

PAULUS JÚNIOR, A; CORDONI JÚNIOR, L. Políticas públicas de saúde no Brasil. Revista Espaço para a Saúde, v. 8, n. 1, p. 13-19, 2006. Disponível em: <https://1library.org/document/yjkjwjkq-cotidiano-trabalho-profissionais-atencao-sentidos-emocoes-saberes-fazeres.html>; Acesso em: set. 2021.

PESSOA, V. M; RIGOTTO, R. M; CARNEIRO, F. F; TEIXEIRA, A. C. A. Sentidos e métodos de territorialização na atenção primária à saúde. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, n. 8, p. 2253-2262, 2013. Disponível em: <https://www.scielosp.org/article/csc/2013.v18n8/2253-2262/>; Acesso em: set. 2021.

RIBEIRO, M. A; ALBUQUERQUE, I. M. N; DINIZ, J. L; BEZERRA, A. K. B; BASTOS, I. B. Oficina mapa vivo na atenção básica - estratégia de planejamento local ao combate ao Aedes aegypti. Revista Saúde Debate, v. 41, n. especial, p. 338-346, 2017. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/sdeb/a/VyqsWqKhp8N5qLmKtLNMsRq/>; Acesso em: set. 2021.

TEIXEIRA, E. C. O papel das políticas públicas no desenvolvimento local e na transformação da realidade. Revista Fazer em Saúde, p. 1-11, 2002. Disponível em: <http://dhnet.org.br/dados/cursos/aatr2/a_pdf/03_aatr_pp_papel.pdf>; Acesso em: set. 2021.

Downloads

Publicado

17/01/2022

Como Citar

Moraes Armesto, L., Roberto Alonso, T., Asier Santos Ortega, . R., Kawamoto Dela Torre, . L., Garbelini Ribeiro, A. V., Freitas Baueb, J., David, G., & Furst Vaccarezza, G. (2022). O MAPA VIVO COMO ESTRATÉGIA DE MONITORAMENTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE - UMA REVISÃO INTEGRATIVA. RECISATEC - REVISTA CIENTÍFICA SAÚDE E TECNOLOGIA - ISSN 2763-8405, 2(1), e2165. https://doi.org/10.53612/recisatec.v2i1.65